Primeiro lote da vacina contra Covid-19 chega ao Brasil

Farmacêutica britânica AstraZeneca escolhe o País para testar o imunizador

Foto: Reprodução/Reuters

A vacina contra a Covid-19 (ChAdOx1) desenvolvida pela Universidade de Oxford, será testada em dois mil brasileiros durante três semanas no Rio de Janeiro e em São Paulo. O Brasil é o primeiro país fora do Reino Unido que vai começar a testar a eficácia da imunização contra o vírus Sars-CoV-2.

Um dos motivos apontados pela seleção do Brasil como local da pesquisa é a situação de crescimento acelerado da pandemia no País, com mais de 614 mil casos e mais de 34 mil mortes.

No Rio de Janeiro, os testes em mil voluntários são de responsabilidade da Rede D’Or São Luiz. O custo é de cerca de R$ 5 milhões para Rede e os testes ocorrem sob coordenação do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (Idor). Em São Paulo, os testes em outros mil voluntários são tarefa do Centro de Referência para Imunológicos Especiais (Crie) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), com subsídio da Fundação Lemann.

Os voluntários ainda serão recrutados e os testes devem começar na semana de 15 de junho. O acompanhamento dos participantes será feito durante um ano para avaliar resultados da imunização contra o coronavírus. Profissionais da saúde, que atuam no combate à Covid-19, e adultos entre 18 e 55 anos, que também trabalhem em ambientes de alto risco para exposição ao vírus, podem participar dos testes. Cariocas e paulistas devem procurar a Rede D’or São Luiz e a Unifesp, respectivamente.

Foto: Reprodução/AFP

A Universidade de Oxford tem, por sua vez, o projeto financiado pelo governo britânico. A associação com o grupo farmacêutico AstraZeneca tem o objetivo de fabricar e distribuir mundialmente a vacina que está em desenvolvimento. “Em setembro devemos saber se temos ou não uma vacina eficaz”, diz o diretor da empresa, Pascal Soriot, à rede britânica de televisão, BBC.

Estudos iniciais em animais e humanos foram realizados para avaliar a segurança da vacina na Inglaterra. Os resultados mostram que o perfil de proteção do medicamento é aceitável. A nova etapa de testes pretende determinar a segurança, eficácia e a imunogenicidade da vacina.

O ensaio clínico em questão é um teste de fase 3 para uma vacina criada a partir de um vírus que causa resfriado em chimpanzés. O patógeno foi alterado em laboratório e tornado incapaz da reprodução em humanos. A vacina em si é feita a partir do fragmento de uma proteína do novo coronavírus que é incorporada à patogenia e faz o sistema imune se preparar para a chegada do vírus real.

Para ganhar tempo, foi decidido não esperar pelos resultados antes de começar a produção. “Estamos começando a produzir esta vacina agora, tem que estar pronta para quando tivermos os resultados”,  destaca Soriot. Segundo o diretor, a estratégia de fato representa um risco de perda financeira, mas é a única maneira de ter uma vacina disponível rapidamente, enquanto ainda é confirmada sua eficácia.

A empresa AstraZeneca tem acordos para estabelecer redes de distribuição paralelas, entre elas com o indiano, Instituto Serum, para entrega de um bilhão de doses aos países de baixa e média renda, na intenção de dobrar a capacidade de produção para dois bilhões de doses.

Na quinta-feira, dia 04 de junho, o grupo também anunciou um acordo de US$ 750 milhões com duas organizações internacionais para fabricar e distribuir cerca de 300 milhões de doses, com entrega prevista para final do ano. Dez projetos de vacinas contra a Covid-19 estão na fase de ensaios clínicos em todo o mundo.

 

Da Redação

One thought on “Primeiro lote da vacina contra Covid-19 chega ao Brasil

Deixe seu comentário :D

%d blogueiros gostam disto: