História do Jornal do Cambuci e Aclimação

História do Jornal do Cambuci e Aclimação

História do Jornal do Cambuci e Aclimação. Tudo começou nos corredores da Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero no início das aulas em 1981. Um grupo de amigos, que militavam no movimento estudantil, resolveu criar um jornal de bairro. Nossa principal proposta era fazer um trabalho de defesa dos interesses da comunidade.

Logo na primeira edição abordamos o problema das enchentes das ruas mais próximas a Av. do Estado. A edição era mensal. Vivíamos aquele período de abertura política com o fim da Ditadura Militar e a organização civil começava a tomar corpo.

Acompanhamos a 1ª Conferência Nacional da Classe Trabalhadora (CONCLAT) que foi o embrião da criação da Central ùnica dos Trabalhadores (CUT).

Também fizemos uma entrevista com Sinval Rosa presidente da Escola de Samba Império do Cambuci. Na parte cultural publicamos dois artigos de cinema da Sandra Teixeira e do Celso Sabadin.

Divulgamos o show que o Língua de Trapo, comandados pelo Laerte Sarramur, faria no Teatro Lira Paulistana. Elaboramos uma matéria sobre o Parque da Aclimação entre outros artigos que rechearam a edição.

História

PRIMEIRAS LUTAS E EVENTOS

Com muita dedicação organizamos nosso trabalho. Tivemos que aprender muito rápido porque a aceitação do jornal foi acima de nossas expectativas.

No início de 1982 constatamos uma falta de atividades culturais e de lazer para os jovens. Tivemos a ideia de realizar um festival de arte. Em dois meses de reuniões, mobilizamos dezenas de pessoas na organização do evento que recebeu o nome de 1ª Mostra de Arte Livre do Cambuci.

Levamos o projeto para a Secretaria Municipal de Cultura e o Secretário Mário Chamie nos ajudou na infraestrutura. Foi o primeiro grande evento organizado pelo jornal e pela comunidade e que nos tornou conhecido na região.

Ao longo de 1982 fizemos uma campanha para levantar a história do Cambuci entrevistando moradores e reunindo um acervo de dezenas de fotos antigas. Entrevistamos o Irmão Justino, Alfredo Volpi e muitas outras personalidades da região. Montamos uma exposição com o apoio do Banco Auxiliar. O Jornal passou a ser quinzenal.

Iniciamos 1983 com muitos projetos. Em 12 de janeiro fomos pegos de surpresa com a notícia de que a prefeitura de São Paulo estava cedendo por 40 anos uma importante área do Parque da Aclimação para o Colégio Anglo Latino.

Imediatamente entramos em contato com lideranças do bairro e alguns parlamentares. Conseguimos organizar e realizar uma grande manifestação no Parque. Tudo feito em uma semana. No mesmo dia da manifestação o Colégio retirou a intenção do convênio e a Prefeitura retirou a cessão de área. Foi uma grande vitória da comunidade.

Em função dessa luta foi criada a Associação de Defesa do Parque da Aclimação (ADEPA), que sob o comando da Maria Tereza Ribas Tavares e da jornalista Mirna Leandro de Castro, começou um trabalho de Tombamento do Parque. Foram três anos de luta até o Condephat “Tombar” a nossa principal área verde.

Foi uma vitória espetacular para a época demonstrando a força da organização civil. O Parque da Aclimação se tornou a primeira área verde urbana Tombada no Brasil.

Essa experiência da luta no Parque nos ajudou, juntamente com um grupo de mães, a conseguir a primeira Creche Municipal gratuita na região, a Creche Silvia Covas, localizada na Praça José Vicente Nóbrega. Ao longo desse período muitos eventos e campanhas foram realizados.

DIRETAS JÁ

Em 1984 o Jornal do Cambuci e Aclimação foi o primeiro veículo de comunicação de São Paulo a entrar na Campanha das Diretas Já. Junto com representantes de vários partidos políticos e entidades, organizamos um grande Show no Parque da Aclimação em favor das eleições.

Nos anos seguintes vários eventos esportivos e culturais tiveram nosso apoio e participação. Uma dessas atividades marcou a vida cultural da cidade que foi a Praça do Rock. Em 1990 passamos a circular semanalmente. Trabalhamos pela 1ª reforma no Balneário do Cambuci.

Em 1995 fizemos o nosso primeiro passeio ciclístico que se chamou 1ª Pedalada Ayrton Senna em homenagem ao grande piloto um ano após seu falecimento.

Nos anos seguintes o passeio mudou de nome e tornou-se Pedalada Cambuci e Aclimação até 2001. Em 2002 recebeu o nome da jornalista Mirna Leandro Ribeiro de Castro que faleceu em 5 de agosto de 2001. Foram 21 edições. A última aconteceu em 2015.

Parque

A LUTA CONTINUA

O Balneário do Cambuci, do qual fui diretor por três vezes, teve sua 3ª grande reforma em 2016 com a troca dos filtros da piscina de recreação.

Ajudamos na desapropriação do Colégio Anglo Latino para que não fosse construído um prédio de alto padrão. Hoje no local está instalado o Colégio Pueri Domus que além de dar vida a um espaço tradicional de educação, valorizou sobremaneira o bairro.

Lutamos por anos para que o Posto de Saúde fosse reformado e ampliado. Na gestão do Prefeito Fernando Haddad a UBS Cambuci foi construída e inaugurada na gestão de Bruno Covas em 2019. Uma grande vitória de toda a comunidade. O vereador Dalton Silvano teve papel fundamental nessa luta.

Hoje estamos empenhados em recuperar o Parque da Aclimação que se deteriorou nos últimos anos, mas que de um ano para cá foi recuperado e voltou a ser um espaço agradável para ir.

Em 39 anos de vida temos muito mais coisas para lembrar, mas neste momento estamos focados na defesa da Democracia e na conscientização das pessoas sobre o perigo que é a Covid-19. Vivemos um momento de crise política e econômica sem precedentes onde o ódio impera e interfere nas relações de um bom convívio social.

Continuaremos a divulgar e apoiar as entidades filantrópicas e Associações que fazem um trabalho sério na região e precisam ter apoio de toda a comunidade para continuar sua ação comunitária. Como sempre, estamos ao lado das empresas da região que movimentam a microeconomia local.

Sabemos que o pós pandemia será difícil, mas unidos conseguiremos superar essa crise. Com os condomínios que estão sendo construídos, teremos mais de 30 mil novos moradores. As lideranças sociais e políticas, que independentemente de partidos, colocam os interesses da comunidade em primeiro lugar, terão desafios enormes pela frente.

Estaremos acompanhando e cobrando dessas pessoas resultados para a comunidade. Da mesma forma, a atuação frente ao poder executivo será sempre de independência com respeito e críticas construtivas. Nosso compromisso com a Democracia e com uma imprensa independente é prioridade.

Continuaremos nosso trabalho de estar sempre ao lado das pessoas lutando por uma sociedade justa e fraterna. O ódio e as ameaças por termos opinião e defendermos a verdade, só nos dão mais força para continuarmos a cumprir a missão de fazermos um jornalismo sério e respeitoso com o cidadão. Trabalharemos intensamente nas campanhas de vacinação, principalmente contra o Coronavírus.

Manteremos firme a caminhada de uma imprensa comunitária sempre lembrando das palavras da Jornalista Mirna Leandro de Castro: “Um Jornal só sobrevive se for necessário na vida das pessoas”.

 

Roberto Casseb

Deixe seu comentário :D

%d blogueiros gostam disto: