“Doutor Hipóteses” ou um “crazy doll man”?

“Doutor Hipóteses” ou um “crazy doll man”?

Doutor Hipóteses

À primeira vista, o filme Doutor Hipóteses – Uma Alma perdida na Pandemia pode ser entendido como uma crítica livre, leve e solta à atualidade, pois resulta das enfermidades que assolam o mundo, sejam elas tão somente pandêmicas ou explicitamente político-científicas, com foco naamada e idolatrada “terra brasilis”.

Entretanto, com um olhar mais aprimorado, é possível perceber que a incisão fílmica acontece para além dessa crítica, pois apresenta-nos, gradativamente, um caso de desvio de conduta proveniente da ordem psicológica de um famigerado “doutor”. Um desvio que, mesmo se exibindo transitório, se revela permanente.

Nesse contexto, o discurso narrativo é composto, propositalmente, por uma também questionadora dualidade verbal, ou seja, o uso coletivo de expressões formais e informais. Alguns fragmentos nos remetem às “falas” do nosso cotidiano social, político e até científico; outros, à nossa mais vulgar intimidade.

Há uma insistente exposição de paradigmas verbais que ultrapassaram épocas, do besteirol à comédia “stand Up”, perpetuando-se nos inquietantes aqui e agora. É o protótipo de um “doutor” se domando como protótipo de um “paciente”. Aliás, o próprioHipóteses se diz “paciente”.

Dentre as inúmeras expressões verbais, destaque para a palavra “treze”, que cerceia algumas cenas pontuais. Ela não, necessariamente, se refere ao político-partidário, mas, antes de tudo, à revelação de uma possível nova espécie humana desenvolvida durante a pandemia da Covid-19. Estou falando dos “alucicrazys”, seres gerados da procriação entre um criador e suas próprias criaturas, a partir de metódicos jogos de seduçãopraticados durante a pandemia.

O passeio narrativo ”baseado” em Anton Tchecov (1860- 1904), quanto à peça-piada “Os Malefícios do Tabaco”, não se faz obrigatoriedade referencial ao filme, porque não se trata de um filme-piada, mas de um fragmento real da loucura humana, a qual pode ser entendida como solução para a solidão, esta que é um sentimento expressado por aqueles que desejam uma companhia ou precisam realizar alguma atividade com outra pessoa.

Não porque se encontram isolados, mas porque seus sentimentos precisam de algo que os transforme. Assim, o público está liberado para o riso e/ou a reflexão.

Doutor Hipóteses

Em síntese, Doutor Hipóteses é um filme de Vicentini Gomez, no qual o também o ator e diretor interpreta a personagem central, que se encontra confinada em uma “garagem mental” e sitiada por “outros” 27 bonecos, todos frutos da representação psíquica do próprio Doutor. E tudo isso ocorre em um cenário literalmente pandêmico, no “futuro imaginário de um presente real”, no ano 2020 do século XXI.

Para dar voz aos bonecos, Vicentini Gomez reuniu atores e atrizes admiráveis, todos cúmplices de uma aprazível “loucura verbo-visual”.

O elenco, em ordem alfabética, é composto por: Ana Medici, Carla Massumoto, Calixto de Inhamuns, Cid Pimentel, Claudemir Santana, Dan Rosseto, Diaullas Ulysses, Fábio Saltini, Giulia Maia, Hilda Breda, João D’Olyveira, Kiko Pissolato, Marcelo Galdino, Matheus Cirilo, Maximiliana Reis, Miriam Palma, Noelle Nataly, Pedro Paulo Vicentini, Rodrigo Dorado, Toni Gonçalves, Vanessa Goulart e Veridiana Carvalho.

As filmagens e outros processos técnicos ocorreram em São Paulo, seguindo todas as recomendações da OMS, e contaram com profissionais assaz capazes.

A Ficha Técnica é composta por: Vicentini Gomez (roteiro, direção geral e de fotografia, edição e produção), Diaullas Ulysses (assistente de direção e still), Pedro Paulo Vicentini (produção e som direto), Claudemir Santana (direção de arte e manipulação dos bonecos), Madalena Machado (figurino), Michel Vicentine Martins (trilha sonora original), Rogério Leite (cinegrafista) e Hugo Caserta (pós-produção de áudio e imagem).

A realização ficou por conta da Palha & Cia. Casa de Criação. Assistir essa (e a essa) narrativa fílmica me trouxe à mente a seguinte reflexão oriental:

“Homens fortes criam tempos fáceis e tempos fáceis geram homens fracos, mas homens fracos criam tempos difíceis e tempos difíceis geram homens fortes”.

Assim sendo, Doutor Hipóteses é, seguramente, um resultado exemplar da força coletiva de homens e mulheres fortes em tempos difíceis.

João D’Olyveira
Prof. Me. em Comunicação e Linguística  

One thought on ““Doutor Hipóteses” ou um “crazy doll man”?

Deixe seu comentário :D

%d blogueiros gostam disto: