Administradora do Parque é exonerada

administradora

Administradora do Parque da Aclimação é exonerada

Veja tudo que foi feito neste 1 ano e 4 meses em que Tania Casseb comandou a área

Na quarta-feira, dia 13 de janeiro, a exoneração de Tania Casseb do cargo de administradora do Parque da Aclimação foi publicada no Diário Oficial do Município. A decisão foi uma triste surpresa para frequentadores, conselheiros e funcionários, uma vez que, a gestão dos últimos 16 meses à frente é considerada boa e eficaz.

Em meio a turbulência e ofensas, Tania assumiu o comando do Parque em 19 de setembro de 2019, com respaldo de sua participação na histórica luta pelo Tombamento da primeira área verde urbana no Brasil, na década de 1980.

Então, sua missão era recuperar o Parque da Aclimação, que passava por um processo de abandono nos últimos anos, administrar conflitos políticos e acabar com brigas entre grupos contra e a favor dos gatos, o que prejudicava a estrutura e a rotina do Parque. Todas as reivindicações de ambos os lados foram atendidas. 

A condução dos trabalhos aconteceu com o único foco de reabilitar a principal área verde da região e devolver ao Parque da Aclimação o respeito que lhe é de direito. Assim, uma série de benfeitorias foram feitas.

Três parquinhos totalmente novos e finalizados foram entregues, com dois já reabertos. Placas de orientações para o uso adequado dos playgrounds, instaladas. As trilhas no Bosque de Eucaliptos foram recuperadas. Todas as lâmpadas foram trocadas e a manutenção integral da rede elétrica foi feita. 

A identificação e troca de canos com vazamento diminuiu significativamente a conta de água do Parque. Houve também consertos e manutenção de muros, caixas d’água, grades, telhados, além da pintura de guias.

A prática de roçagem voltou com frequência, assim o mato alto sumiu. As podas e supressões também tornaram rotina no Parque, de modo que, previnem quedas e estragos indesejáveis. Um cálculo estima que, a cada árvore condenada que cai, outros três exemplares saudáveis são derrubados pelo impacto.

Mais de 40 mudas de espécies nativas foram plantadas com a ajuda da população que se organizou e mobilizou mutirões de limpeza e plantio, apoiados pela administração, o que criou um canal direto entre poder público e frequentadores.

Vale lembrar que quando assumiu o cargo, Tania encontrou cerca de 20 mudas mortas abandonadas no viveiro à espera de serem plantadas pela administração anterior, fato que sequer era conhecido pelos membros do Conselho Gestor.

A administradora queria fazer mais. Infelizmente, alguns assuntos estão à deriva com a mudança repentina na gestão. Por exemplo, a reforma do Jardim Japonês, que já estava em curso e contou com apoio de frequentadores e da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Assim como, o projeto proposto e aprovado pelo Conselho Gestor de preservação do lago através de reconstituição da mata ciliar e instalação de caixas de contenção de lixo que vem com a água da chuva.

Outros diversos pedidos foram feitos aos devidos responsáveis da Prefeitura de São Paulo que ainda não foram atendidos. Troca de bancos e lixeiras. Reforma do píer. Substituição do alambrado do campinho de terra e encanamento do Parque. Reposição de grama. Reforma do quiosque e barras de ginástica. Pintura do gradil do cachorródromo. Vacinação e censo dos felinos. Manutenção de brinquedos antigos de um parquinho. Além da solicitação para que a Subprefeitura Sé limpe bueiros no em volta do Parque, entre tantas coisas mais.

Questionada sobre o motivo que levou à exoneração de Tania Casseb, a Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente (SVMA) informa que a exoneração da administradora do Parque da Aclimação se deu pelo atendimento ao Decreto 60.041, de 31 de dezembro de 2020, que dispõe sobre ações e medidas objetivando a redução de despesas no âmbito da administração direta e indireta do município de São Paulo.

A resposta da SVMA dá a entender que o Parque da Aclimação não terá mais administrador fixo, o que é um erro gravíssimo, ao se tratar de um dos locais mais frequentados da cidade.

Uma boa gestão traz economia à Prefeitura, como no caso já citado do desperdício de água por vazamentos, um custo muito acima do verdadeiro valor consumido. Em um mês, a conta chegou a quase 50 mil reais. Com todas medidas tomadas pela administração, a conta baixou para 18 mil reais. A economia de um único mês paga o salário de um ano da administradora. A resposta da SVMA é no mínimo infeliz.

Tania trabalhava de sol a sol sem pestanejar, inclusive quando estava de férias ou folga, pois executava seu serviço com amor e dedicação. Não por acaso, Tania é admirada pela equipe de funcionários do Parque, respeitada por conselheiros e amiga de frequentadores. O administrador do Parque Independência, Wagner Aparecido Spolon, assume interinamente o Parque da Aclimação o e fica responsável pelas duas áreas verdes. 

 

Daniel Yazbek

 

2 thoughts on “Administradora do Parque é exonerada

  1. CONCESSÃO, licita o parque para um concessionário por 20 anos, a prefeitura deve dar prioridade para saúde e NÃO PAGAR SALÁRIO PRA GESTOR DE PARQUE.
    Esse equipamento NÃO deve gerar nenhum custo para o contribuinte (salário de gestor, guarda terceirizada, água, luz, limpeza, poda e paisagismo) e dá até pra ganhar um valor mensal do concessionário.
    Mesmo com entrada gratuita, o concessionário poderia explorar restaurantes, lanchonete e atrações como tirolesa, fazer uma parede para escalada, pedalinho, horta orgânica, venda de mudas, realizar cursos sobre meio ambiente, atividades físicas/academia a céu aberto, enfim, olhem o tanto que o parque ganharia atraindo mais frequentadores.

Deixe seu comentário :D

%d blogueiros gostam disto: